HISTÓRIA COMOVENTE OCORRIDA NA CASA DO AMPARO DO JAGUARÉ

O  André Keri e a  Michele Marangoni , psicopedagogos, iniciaram um bonito trabalho voluntário em setembro p.p., junto às crianças da casa do Jaguaré, supervisionados pela Prof. Dilaina Paula Santos. O objetivo principal é desenvolver o raciocínio lógico dos menores.

Esse trabalho, iniciado em 06/09/2006, vinha sendo desenvolvido de forma bastante satisfatória e a interação das crianças com os voluntários era tão perfeita que as mesmas ficam ansiosas pela chegada do sábado, dia programado para os encontros.

Ocorre que, lamentavelmente, no dia 21 de outubro, a estagiária Michele, ou Tia Michele, como as crianças carinhosamente a tratavam, veio a falecer.

No sábado seguinte, o André ao chegar à casa logo foi questionado pela ausência da Tia Michele. O mesmo, conforme anteriormente combinado com a Prof. Dilaina, com muito tato, para não causar um maior impacto nas crianças, contou uma história a respeito de “anjos no céu que cuidam de crianças e que Deus precisava de mais uma pessoa para cuidar de um grupo de crianças que estava sem anjo, e que escolheu a Tia Michele para ajudá-lo nesta tarefa”. Em seguida pediu às crianças que fizessem um desenho que representasse a Tia e eles a desenharam como um anjo.
Em certo momento da atividade, a menina Mara concluiu que, se a Tia tinha ido para o céu é porque ela tinha morrido, então quis saber quem iria cuidar da filha da mesma.

Concluídos os desenhos, as crianças indagaram como iriam enviá-los para a Tia e o menino João fez a sugestão de queimá-los, assim eles subiriam para o céu. Feito isso, as crianças jogaram as cinzas entre as plantas do jardim e as cobriram com pétalas de flores.

Após esse emocionante ritual, todos voltaram à sala e começaram a fazer envelopes e escrever cartinhas que destinariam à Tia Michele.